Hiromi The Trio Project: Sesc Pompéia - 16/08/14

A Hiromi Uehara tem quatro discos sob o nome ''Hiromi''. Outros dois com a alcunha ''Hiromi's Sonicbloom''. Três com sua mais recente viagem criativa ''The Trio Project'', fora seu disco com o Stanley Clarke Trio, o ótimo ''Jazz In The Garden'' e ''Duet'', seu registro debutante-colaborativo com nada mais nada menos que Chick Corea no piano (do selo ''Chick And Hiromi''), gravado ao vivo no Blue Note de Tókio.

São onze CD's fora 4 DVD's que já ouvi e assiti durante anos, desde que conheci sua mistura atômica de feeling e virtuose. Mas se pudesse juntar o conteúdo desses 11 CD's plus a vibração crua dos 4 DVD's creio que nem assim igualaria o que puder ver hoje com meus próprios olhos e, sim, sou fanático o suficiente para ter tudo que a japinha já fez na vida.


Hoje, dia 17/08/14, vi algo histórico, a primeira passagem da pianista em solo Brasileiro, tudo via Sesc, que mais uma vez trouxe uma atração de primeira e montou um show do jeito perfeito, com os três indicadores básicos e sem exageros:

- Lugar pequeno
- Meia luz
- Som de qualidade


Daqui uns 10 anos vou poder falar que vi a maior musicista de meu tempo, isso é claro trata-se da minha opinião, mas creio que se mais pessoas puderam conhecer seu som eu não defenderei esta sentença sozinho, o que prova mais uma vez que a música segue produzindo nomes impactantes, outra que gosto de citar é a americana Esperanza Spalding.

O único problema dos shows no Sesc é que a divulgação é bem limitada, parece que só chega nos ouvidos de quem é sócio, ou que pode dar uma passada lá toda semana para ver o quadro de apresentações, Mas desta vez fiquei sabendo à tempo e pude me dirigir até a o local de mais uma iniciativa do projeto ''Jazz Na Fábrica''.

Inicialmente não sabia de fato o que esperar, até por que é muito diferente ouvir discos ou até mesmo ver shows na tela da TV. Mas desde que meu pai me ligou falando que os ingressos estavam garantidos fiquei apenas esperando pela surpresa, algo que se confirmou em certos aspectos. A maioria do Set List foi composto de faixas de seu novo disco (''Alive'', lançado e resenhado este ano) mas as palavras se fazem poucas para descrever um show que de tão grandioso (talvez no lugar menos provável para tal), fosse o melhor da minha vida e olha que eu já vi Iron, Sabbath, Scorpions, Clapton... Mas nunca vi nada parecido com o que vi ontem, as 21:00 (pontualmente) no Sesc da unidade Pompéia.

A qualidade sonora é absurda, é um nível técnico tão impressionante que eu saí de lá pensando à respeito de quantas horas por dia o simpaticíssimo baterista Simon Philiips, por exemplo, tocou para chegar em tamanha exatidão e perfeição no tempo de baquetas, isso fora o baixo veloz e intenso do mais reservado Anthony Jackson... Depois desse show esse trio devia mudar de nome: ''The Virtuose Project'' é a alcunha perfeita.


Mas acompanhar a pegada da Hiromi é impossível, em todas as faixas ela surgia com solos absolutamente abundantes, técnicos... Era marfim em pura síncope, aliás mal se via a mão da cidadã tamanha a velocidade. Mas ai alguns irão dizer: ''Tocar mil notas por minuto não quer dizer nada, onde está o feeling?'' 

Esta inundado em todas as faixas da praticamente poliglota pianista, que além de muito simpática, aplaudia sua própria banda, falou Português e se mostrou até tímida quando se dirigia a platéia, mas quando começava a tocar isso tudo sumia, ela levantava do teclado, sentava, batia, dava cotovelada, só faltou tocar plantando bananeira! Nunca vi um show com este nível técnico e nunca vi ninguém demonstrar tanta vontade e afinco tocando um instrumento.

Essa maluca com cabelo de Amy Winehouse tem 35 anos e dia após dia eleva seu patamar, era desconcertante, cansei de bater palma, nunca aplaudi alguém por tanto tempo e o sentimento e a quebradeira do trio foi realmente inexplicável.

Quando o show terminou ainda tentei conseguir um autógrafo na minha cópia de ''Beyond Standard'' mas não consegui, uma pena, mas shows acompanhados do senhor meu pai são assim, aqui foram duas horas de Jazz-clássico-hard-Bop e na última mais de 3 horas com o Bootsy Collins!

Desculpem pela falta de fotos... O Sesc não liberou credencial e confesso que até esqueci delas, meu pai que se lembrou e pegou alguns flashes... Só posso lamentar aos que não estiveram presentes, um dia histórico, até plastifiquei o ingresso! Duas horas de piano e teclado que ficarão para sempre em minha cabeça

Set List:
''Seeker''
''Alive''
''Wanderer''
''Dreamer''
''Player''
''Place To Be''
''Warrior''
''Rainmaker''
''Move''


0 comentários: