Jack White: O Sweeney Todd do Lollapalooza

Luzes azuis, palco analógico, televisões de lazaretto, roadies vestidos como judeus ortodoxos e um coquetel de Blues que faz mais estrago que muito Molotov por ai. Esses são os elementos que formam o universo esquizofrênico, bipolar, Bluesy e sádico do reverendo Jack White, guitarrista que proporcionou um dos melhores shows para o primeiro dia do festival Lollapalooza, fechando a sessão de destaques com o Robert Plant e a viagem Subsaariana do Sensational Space Shifters.


Esperava por um show competente, afinal de contas tinha me dirigido para o festival com muitas horas de ''Lazaretto'' na cabeça, alguns anos de White Stripes e uma dose considerável de Raconteurs, isso sem falar em Dead Weather e no solo auto intitulado deste criativo inventor de riffs.

E para meu espanto o conteúdo absorvido pela minha embassada lente quatro olhos foi muito superior ao ''metido'', competente, que enumerei algumas palavras atrás. Mas o fato é que o Jack White solo conseguiu mostrar todo seu potencial ao mundo (e provar bastante coisa a si mesmo) e concretizar um fato para os ainda séticos: Ele é bom, bom pra caralho.

Duvido e muito que se o americano estivesse com a Meg White até hoje (levando o som nas costas enquanto ela baquetava a batera como se estivesse com medo dos pratos), que este lunático teria brindado os presente com mais de uma hora e meia de timbragens insanas, solos com um claro desiquilíbrio mental e uma instrumentação digna de uma resenha exclusiva para a banda de apoio do mestre do cerimônias. 

Line Up:
Jack White (guitarra/vocal/piano/violão)
Daru Jones (bateria)
Dominic Davis (baixo)
Dean Fertita (órgão/piano/teclado)
Fats Kaplin (theremin/mandolin/violino/pedal steel guitar)
Lillie Mae Rische (violino/vocal/mandolin)



Com uma das bandas mais técnicas e entrosadas que o mundo da música pode ouvir em disco e se impressionar ao vivo, o reverendo João Branco chegou e fez exatamente o que mais gosta: Confundir as pessoas. Teve Blues seco na orelha, baladinhas Folkeadas com aquele tempero de Whisky Jameson, quebradeira instrumental, delírios de Jazz, viagem com LSD Country, camadas garageiras e até slide numa onda sinfônica que trata de mostrar a relevância de um dos maiores guitarristas em atividades, dono de um dos espetáculos mais interessantes para se entreter neste afrescalhado cenário atual.

Tudo em seu show é insteressante, desde a posição dos músicos no palco (todos bastante próximos), o que aproxima Jack de tudo e cria uma energia invisível mas que acaba sendo a base motriz desse som, que é válido ressaltar, é fruto do mais fino néctar que a música produziu e que nesse groove se mistura sem nenhum pudor.


O evento de desenvolve sem frescura nenhuma, é um som atrás do outro, algumas jams entre as canções e um todo que corre com uma naturalidade assustadora, coisa que não é muito normal, ainda mais com uma música tão pouco usual como essa. E tudo que se escuta em disco é plenamente captado ao vivo, ''High Ball Stepper'' por exemplo veio com solo de violino e escambal.

O ser, ''Jack White'', é bastante peculiar nos palcos, sua alegria é tão singular que se assemelha a de um garoto brincando de abrir o registro pra dar choque na família toda e, por mais que essa descrição seja meio confusa, quando o cara sobe no palco sua guitarra caótica se funde com todo o ar Jazz-purista de seu fantástico baterista Daru Jones e ainda faz sala para os eruditos Dean Fertita, Dominic Davis (e seu belo cosplay de Paul Chambers), o multi tarefa Fats Kaplin e a afinadíssima Lillie Mae Risch.


Citei o Sweeney Todd no título e não foi só para efeitos de semelhança física ou com o vestuário, mas sim por que um show do americano se assemelha e muito com um corte de cabelo com o Edward Mãos de Tesoura Assassino. O menino pode muito bem tocar um som na boa, levando o som na estica como também pode (e é de seu feitio), entrar no olho do furacão do som, encavalando todo o instrumental e soltar faíscas com sua guitarra de detritos não cósmicos, cortando cabeças, assim como sua versão Hairdresser.

O repertório mostrou foco no grande sucesso de ''Lazaretto'' e nos brindou com eletrizantes versões da faixa que nomeia o disco, do Blues sacana de ''Three Women'' (com Jack no piano), muito feeling com ''Just One Drink'' e a bombástica ''That Black Bat Licorice'', tema que explodiu a platéia e deixa claro o motivo pelo qual esse cara é tão elogiado: Ele é diferente, desde a forma como sola até o modo como canta, ninguém faz igual e dentro de um mundo onde todos querem ter um som parecido com algo já feito isso é absolutamente louvável, grande momento, o branquelo dichavou o Lollapalooza e o Daru Jones deu um workshop gratuito com seus fundamentos jazzísticos e swing bombástico com pegada reggaeira pra sincompar o som.

Não foi só isso, o set list foi longo, a viagem fez uma geral pela vida e obra do ainda jovem (mas sacramentado talento), só que para efeitos de puro charme excêntrico a epifania do ''S'' do Senna chega ao fim e agradeça por não querer degolar sua mente enquanto o senhor passava seus olhos por esta ideia. Foi bom fazer parte do ''Seven Nation Army'' por um dia e ouvir Raconteurs pra variar... Não tivemos Plant mas quem estava presente viu algo ainda mais enérgico que uma chacina no cabeleireiro.


Set List:
''Icky Thump''
''High Bass Stepper''
''Lazaretto''
''Hotel Yorba''
''Temporary Ground''
''Weep Themselves To Sleep''
''Cannon/Dead Leaves And The Dirty Ground/Screwdriver''
''Just One Drink''
''Steady, As She Goes''
''Love Interruption''
''We're Going To Be Friends''
''Fell In Love With A Girl''
''Black Math''
''Three Women''
''Missing Pieces''
''Top Yourself''


Bis:
''I'm Sloly Turning Into You''
''Would You Fight For My Love?''
''That Black Bat Licorice''
''Ball And Biscuit''
''Seven Nation Army''



0 comentários: