Miles Davis Hip Hop jazzístico de Doo-Bop

Ideias... Dentro do Jazz esse é um conceito que as vezes acaba sendo subestimado. Tudo bem que não dá pra chegar lá e fazer um disco de Jazz misturado com baião, mas tem como fazer Jams muito interessantes adicionando Funk, Rock... Existem muitas opções meu caro e, se existe um cara que soube explorar tudo que a música tinha à oferecer em prol de novos caminhos e sonoridades, esse alguém foi Miles ''Visionário'' Davis.


E para ilustrar apenas um dos grandes ''breakthroughs sonoros'' que o negrão foi capaz de criar, apareço aqui com o mais controverso, o swing Jazz-Rap Funkeado do interessantíssimo ''Doo-Bop'', disco lançado em 1992, seu último trabalho neste plano. Contendo samples que vão desde ''Kool & The Gang'' à James Brown, interrompendo sua fase eletrônica e finalizando sua discografia, esse disco deixa claro que opção é o que não falta, o que falta é ousadia, algo que Miles tinha de sobra.


Track List:
''Mystery''
''The Doo Bop Song''
''Chocolate Chip''
''High Speed Chase''
''Blow''
''Sonya''
''Fantasy''
''Duke Booty''
''Mystery (Reprise)''


Posso afirmar com toda a certeza, antes de dar play no Miles, que vocês estão no mínimo curiosos para provarem desta nova mistura... Até mesmo este que vos resenha, pessoa que já escutou essa maravilha diversas vezes, posso afirmar aos senhores que a cada nova audição a sensação é a mesma, sempre penso a mesma coisa: ''Esse cara é um gênio''. Mas não quero influenciar seu julgamento, então por favor meu caro, play no Miles.

''Mystery'' essa é a faixa que abre o disco. Depois que escutei essa músicame lembro de ter pausado o disco e parado por uns alguns minutos para tentar assimilar o que tinha passado pelos meus ouvidos, tem aquela malandragem do Rap, aquele swing do Funk e o trompete de Miles.

Ao ler isso parece que não tem nada a ver mas tem TUDO a ver e ''The Doop Bop Song'' vai ajudando seu cérebro a registrar, a entender tal mistura, passando pela pegada Roots de ''Chocolate Chip''. Fazendo um pequeno Tour pelo seu cérebro, deixando claro para toda a sua conjuntura mental que você nunca tinha escutado nada parecido, é inaugurada uma nova ala em sua mente, festeje com ''High Speed Chase'' ou saia correndo pela rua ao som da alucinante ''Blow''.


E a festa segue, agora com o Groove de ''Sonya'' a última faixa composta por Miles em vida. As outras foram compiladas pela mente brilhante de Easy Mo Bee, senhorio que empresta sua voz em alguns momentos, espalhando a genialidade de Miles com instantes incríveis, como na batida frenética de ''Fantasy'', o coquetel molotov de ''Duke Booty'' e a finalização com ''Mystery (Reprise)''

Não só por ser o último disco de Miles, mas sim por se tratar de um trabalho realmente digno de nota (assim como quase tudo que o americano produziu). Quando o play se encerra fica bem claro também que não haveria jeito melhor de dizer adeus aos seus fãs. ''Doo-Bop'' pode soar estranho a primeira orelhada, diferente, a frente de seu tempo, visionário... Você pode até não gostar dele (os puristas normalmente detestam), mas assim como Miles e seu trompete, este trabalho rompe barreiras e quem conhece sabe: cumprir regras não era seu forte. Fantástico.


0 comentários: