Chaiss na Mala - Afrodisia

A música vive nas ruas. Ela não tem residência física e não tira férias, habita todos os cantos em todos os momentos e não interessa o que estiver rolando, você vai sentir o groove.

Seja de terninho depois da reunião do trampo, de chinelo havaiana voltando de um rolê na avenida paulista ou correndo até o ponto de ônibus por que o busão saiu e você vacilou, não importa! A malandragem das ruas sempre estará presente. 

Foto: Leonardo Cinefoto Colapso

A trilha sonora do cotidiano vai abrir alas para o play em todas as oportunidades que surgirem e o nirvana das esquinas atende pelo nome de Chaiss na Mala, o Jazz que ilumina os caminhos nas mais boêmias estações de metro de São Paulo.

Afrodisia: cuidado com o vão entre o trem e a plataforma, o quinteto não se responsabiliza pelos corpos que swingarem à frente da faixa de segurança desde o dia 09 de agosto.

Line Up:
Eder Hendrix (guitarra)
Fábio Albuquerque (bateria)
Reinaldo Soares (trompete)
Rob Ashtoffen (baixo)
Felipe Bertoni (bateria)
Vinicius Chagas (saxofone)


Arte: Luciano Thomé

Track List:
''Free Beise''
''Afrodite''
''Double Face''
''Oro''
''Xá''


Radicada nos becos de sampa, na sombra e água fresca do Funk, com a sagacidade de quem improvisa através do Jazz sem se limitar e pisar até na cozinha Fusion, o Chaiss na Mala lançou um dos melhores trabalhos nacionais de 2015. O combo chega destilando uma classe grandiosa com um debutante que, além de nos apresentar grandes músicos, é formado por caras que valorizam o encontro.

Fotos: Rui Alves
Um coletivo de pessoas que ficaram de sol à sol pelas ruas atrás de um ''mojo working'' que definitivamente está impresso nesse disco. São apenas 5 faixas, só que cuidado com este ''apenas'', pois o resultado final compila cerca de 30 minutos instrumentalmente jazzísticos. Um conjunto de ideias envolventes e o mais importante: originais.

É um daqueles discos que abre a mente do grande público e mostra que existe sim muita coisa rolando, basta apenas olhar ao redor ao invés de ficar atolado no celular enquanto seu corpo anda pelas ruas. Afinal de contas o Chaiss pode estar mandando um ''Free Beise'' e eu garanto, nenhuma mensagem vale o risco de ignorar as linhas ácidos do quinteto.


Produzido pelo próprio combo e o Selo 180, ''Afrodisia'' surge com uma masterização soberba. O reverendo José Vitor Torelli captou a essência da banda e conseguiu mensurar todas as linhas cristalianas que os caras emanam, só que com uma fidelidade impressionante, aqui, assim como num show ao vivo, escuta-se tudo e muito bem.

A clareza sonora é a palavra de ordem para apreciação do DNA de música negra que ao som desses caras, possui sangue azul. A dobradinha ''Brecker Brothers'' entre o trompete do Reinaldo Suares e o sax de Vinicius Chagas é fervilhante. Rob parece ter todas as repostas no slap e a bateria de  Bernote é a síncope motriz de toda essa viagem, isso sem desconsiderar a guitarra de Eder Hendrix e toda experiência de seu Black Power e riff's.


Aqui não existem limites, a experimentação flui com grande naturalidade e a força do som é latente desde a combustão jazzística da faixa de abetura. ''Free Beise'' (jam que conta com Fábio de Albuquerque na bateria), é o tema que inicia a fritação e estabelece o fluxo criativo de maneira contínua. Brincando com climas em ''Afrodite'' como se fosse a coisa mais fácil do mundo e demonstrando um feeling diferenciado para atiçar os quadris da população com o Acid-Jazz de ''Double Face''.

É bárbaro sacar o caráter genuíno deste som. Os improvisos podem ter sido ouvidos em várias ruas de São Paulo e esse disco é como se fosse um greatest hits de todos esses momentos, passagens que formaram não só o caráter sonoro deste união, mas sim sua história.

Apostando na força do momento e seu caráter orgânico como revolução filosófica, sem esquecer dos quase dez minutos de maturação sonora na maior composição do disco (''Oro''), e seu belo (e ao mesmo tempo) triste fim com o encerramento cascudo de ''Xá'', nota-se que estamos ouvindo uma jam fora da curva.

Fique ligado nesses caras, o primeiro disco saiu faz pouco tempo, sei disso, mas o segundo já pode estar sendo tocado na rua e você está aí, vacilando. Free your and the Jazz-Funk will follow. O disco é tão louco quanto a arte do Luciano Thomé, prepare o capacete, pois as camadas de sax e trompete não esperam para sobrevoar sua cabeça. Depois do play não existe possibilidade de retorno, um brinde ao Free Jazz.

0 comentários: