Alô, Hendrix?

Noite passada cheguei em casa perdido. Moro no mesmo bairro faz mais de 5 anos, mas estava abalado. Não me perdi literalmente, mas cheguei avoado no recinto. Definitivamente rolou uma turbulência no elevador, mas depois de sair catando cavaco quando abri a porta (sem pestanejar), percebi que era necessário encontrar um lugar mais tranquilo.

Sentar e arejar minha mente era preciso. No rodo cotidiano minha família apenas observava mais um dia passar pelo reflexo da televisão, mas numa cadeira, ali, bem no canto da sala, estava eu, apenas um espectro de fones de ouvido, depois que ''Once I Had A Woman'' me tirou de meu próprio corpo.


Foi bastante construtivo possuir e controlar esses dois referenciais. Assim que Jimi começou a transcender no Blues, meu corpo começou a carregar o download de minha versão em streaming e, quando percebi, já estava em modo avião.

A progressão de acordes. Os campos harmônicos. Os tons, cara, está tudo nos tons. Os melhores guitarristas sempre prestam muita atenção nos instrumentistas de sopro. Jimi gostava muito de Rahsaaan Roland Kirk (inclusive eles até fizeram uma jam juntos), e acredito que boa parte dessa lírica tão livre e natural do menino de Seattle, venha justamente desse feeling diferenciado que sua Strato nutria pelas técnicas da respiração Jazzística.


Coloque pra tocar aí. Sério mesmo, considero que ''Once I Had A Woman'' seja um dos temas definitivos para se entender a magia eletrostática que fluía dos dedos desse Midas psicodélico. A calma. A classe. O controle dos bends para que cada nota ficasse em suspensão durante o tempo exato...

Quando a bateria resolve entrar, o bass engrossa o acompanhamento, mas este nem chega perto da guitarra. A Fender Hendrixiana deslancha de maneira suave, reverberando pentatônicas faiscantes com uma inspiração tão energética que nem a gaita impede o fluxo de linhas que beiram o Free Jazz, numa época que esse termo nem existia.


Enquanto olhava para o meu outro eu, percebi que ambos estávamos perdidos. Fui no quarto e fiz um tapping no telefone para conseguir fazer contato com o Disk Informações. Nessa hora Jimi entra também com a voz e recita: ''lord i had a woman''. 

É claro que o sinal da ligação caiu. Tentei outra vez e a linha ficou muda. James seguia solando e, enquanto uma parte de mim ligava, a outra seguia ouvindo o chamado messiânico num rito de loops infinitos.

A essência é o Blues, mas o ''problema'' é que na parte estética o americano só tocava emoção. Essa faixa não tem um script de começo, meio e fim. Não tem ponte, não apresenta uma ''parte A'', tampouco se preocupa com o tempo ou um refrão pré estabelecido.


Apertar play para momentos como esse torna-se um exercício espiritual. Mergulhei em mim mesmo, vi tudo de fora, mas também observei como ficamos catatônicos por dentro, quando ouvimos um som desse cidadão sair das caixas.

A única coisa que me deixou triste foi saber que o Cherokee não poderia me atender. Tentei muitas vezes só que não consegui nem fazer o telefone chamar, mas depois de tantas horas, senti que mesmo com o aparelho mudo, foi possível fazer uma conexão.

Esse pacote de internet/telefone não existe para compra. O grau de energia foi celestial, finalmente pude me ouvir do outro lado da linha... Prefiro acreditar que a música do maior guitarrista de todos os tempos não me fragmentou, pois ao fundo não ouvi nada concreto, mas senti uma presença divina, quase que um tilintar de um slide que nem marcou presença nesse som.


Essa foi a caixa de mensagens do senhor Marshall, ele não teve tempo de trocar ideia dessa vez, mas sei que tive muito mais do que 30 segundos para gravar um recado após o bip. Mande um alô qualquer hora dessas meu velho, todo mundo aqui em casa me chamou de louco quando tentei explicar o ocorrido.

Sabe como é, esse negócio de ligação internacional é foda, o real está valendo menos do que um dose de troco em bala, por isso, tente abrir uma franquia especializada em sinais de fumaça. Você com sua Purple Haze aí, eu com a minha aqui e todos nós sincronizados da mesma maneira de sempre.

Ninguém respondeu, mas momentos depois, o aparato tecnológico que Jorge Ben insiste em dizer que tocou novamente, se manifestou. Não era ninguém outra vez, mas ao tentar responder, notei que estava mudo e quando desliguei, ouvi um chiado que vinha dos meus fones.

Mesmo depois de finalizar o embate, o meu celular (que estava desligado durante todo este conto), resolveu dar o ar da graça e ainda o fez com ''Once I Had A Woman'' no play. Captei a mensagem Jimi, o meu telefone está fora da área de cobertura, mas o seu brinca com as fronteiras e no fundo não é segredo pra ninguém que se um dia você precisar de algo, basta me dar um toque que aqui o feeling não é 9090 não.

0 comentários: