Youthanasia: tudo sobre Pendurar crianças no varal e escutar Megadeth

Os grandes medalhões do Heavy Metal vem perdendo cada vez mais espaço hoje em dia e não é por falta de relevância, mas sim por que a qualidade da obra recente deles caiu muito, ainda mais se comparado aos anos de ouro.

Atualmente é bastante complicado para grandes grupos manterem sua soberania, e isso é muito bom. Por um lado, faz as bandas não se acomodarem, por que sabem que se não vierem com algo realmente bom, outros grupos vão fazê-lo, mas existem dois tipos de problemas nisso:

1 - Ou a banda segue alternando bons e maus discos.
2 - Ou cai em pleno declínio depois de anos de pura soberania.


Quando leio os dois parágrafos escritos acima e o complemento com as duas possibilidades listadas, a primeira banda que surge em minha mente é o Megadeth. E mesmo eu, que gosto da banda, não posso negar que os caras não lançam algo notável faz um tempinho. 

Para este que vos escreve, a coisa perdeu o fio da meada depois que o ''The Words Needs A Hero'' (2001) saiu, se bem que se você for mais exigente não seria tão exagerado afirmar que o último grande disco do Mega tenha sido o ''Youthanasia'', lançado em 1994.

Line Up:
Dave Mustaine (vocal/guitarra)
Marty Friedman (guitarra)
David Ellefson (baixo)
Nick Menza (bateria)
Jimmie Wood (gaita)



Track List:
''Reckoning Day''
''Train Of Consequences''
''Addicted To Chaos''
''A Tout Le Monde''
''Elysian Fields''
''The Killing Road''
''Blood Of Heroes''
''Family Tree''
''Youthanasia''
''I Thought I Knew It All''
''Black Curtains''
''Victory''


Esse disco encerra a fase de ouro do Megadeth, algo que estava fadado a acontecer. Ninguém consegue lançar seis discos excelentes como o grupo fez e ainda manter as tours monstruosas que a banda se propunha a traçar em seu calendário, sem ao menos começar a cair pelas tamancas. 

O Megadeth foi soberano dentro da cena durante quase uma década, desde a estréia do grupo, com o arregaço híbrido de Trash e Heavy de ''Killing Is My Business... And Business Is Good!'' (1985) até este disco, a banda de Dave Mustaine manteve um padrão de qualidade monstruoso.

Os discos que vieram depois deste aqui são até aceitáveis, mas depois do ''The Words Needs A Hero'', os fãs da banda sabem que no fundo nunca mais ouviram um grande trabalho como esse aqui, aliás, até a capa desse disco é excelente.

Na arte feita por Hugh Syme (famoso por por criar capas para o Rush e o Iron Maiden) nós temos uma velha pendurando crianças num varal. Essa prática tem como fim a rápida secagem dos pimpolhos, pois eles deveriam ter acabado de sair da máquina de lavar, claro.


Trocadilhos a parte, o conteúdo das letras desse CD é muito interessante. Para manter a destreza no verbo, Mustaine continua atirando para todos os lados, desde questões governamentais, até o ponto chapante das drogas, sua vida em sociedade e as guerras, um de seus assuntos preferidos. 

Aliás, a faixa título (tanto quanto a capa) merece um destaque especial. ''Youthanasia'' vem de ''Eutanásia'', que é basicamente a aceleração da morte de um indivíduo incurável, para que se termine todo o ciclo de sofrimento que o envolve. Neste ponto de vista, Mustaine joga na cara dos ouvintes que nós podemos produzir ou esperar a Eutanásia, algo válido a se pensar, ainda mais nesta sociedade.

Sobre o restante da gravação só tenho elogios a tecer, aqui a banda seguia muito bem, com um instrumental fantástico e com Dave no topo de seu jogo, exalando Riffs e contando com Marty para adicionar ainda mais peso e criatividade na cozinha. 


Temos um cenário muito criativo desde a primeira faixa. Começamos pesando o amplificador e testando a timbragem do baixo ao som de ''Reckoning Day'', temos ótimos riffs (afinal trata-se de Dave Mustaine) e ''Train Of Consequences'' é apenas um dos exemplos, isso fora a aula de Francês com a bela ''A Tout Le Monde'' e uma exibição de gala por parte de Friedman, rola até uma gaita!

São doze faixas excelentes e o disco como um todo é um trabalho muito linear, o único problema é que quando acaba, faz os fãs ficarem meio deprimidos, Os últimos CD's do grupo foram bem fracos, mas é aquela coisa, nunca duvidem de Dave Mustaine, afinal de contas ele foi expulso do Metallica e, SOZINHO, fez uma banda tão grande, seminal, mais pesada e rápida do que seu ex grupo.

Observação: depois do fim do disco, tire as crianças do varal, acredito que depois de uma hora elas já estejam secas.

0 comentários: