Faça igual o Pat Metheny: seja uma banda de um homem só

Imagine se você soubesse tocar um instrumento e decidisse montar uma banda. Só de falar isso já me bate até uma preguiça! E quem teve (ou tem uma banda) concorda comigo, é bem complicado achar pessoas de fato comprometidas a tirar um som, o jeito é sempre tocar sozinho, mas sozinho não tem graça, não tem banda de apoio, certo?


Não. E se você duvida, hoje venho com um dos projetos mais sensacionais e trabalhosos que escutei nos último anos, trata-se do belíssimo ''Orchestrion'', lançado em 2012, a maneira que o brilhante Pat Metheny elaborou para tocar conseguir uma banda e ao mesmo tempo não depender de ninguém que não fosse ele mesmo.

Além de um projeto bastante elaborado, "Orchestrion" nos brinda com uma visão musical de um cara que, ao controlar todos os instrumentos envolvidos em cada uma das composições que foram para o disco, conhece e domina cada passagem das notas, mostrando um domínio de repertório inspirador sem precisar discutir com seu baixista para conseguir concordar com cada slap. Nesse caso bastou programar os instrumentos e seguir o ritmo, algo não tão simples quanto parece.


Track List:
''Orchestrion''
''Entry Point''
''Expansion''
''Soul Search''
''Spirit Of The Air''


A costumeira Line Up não apareceu aqui por que Pat fez tudo neste disco. O cidadão tocou guitarra e programou todos os instrumentos que aparecem na capa, algo que demorou muito tempo para ser arquitetado e plenamente registrado. Mas o resultado foi tão bom que além do disco ter vendido muito bem, ainda rendeu um registro em DVD sensacional, com o cabeludo arrebentando em sua Ibanez semi acústica, sem usar efeito algum, algo que ainda foi sincronizado com cada linha de seu complexo instrumental, que em pura sinergia, foi sincronizado com cada acorde que o mestre profetizava.

 

O conteúdo do disco é belíssimo, mas no DVD temos três horas de música e um documentário retratando todo o processo de criação que permeou este trabalho, além de um set mais longo. É bem bacana observar a produção que organizou os instrumentos para "adestrá-los" a funcionarem sozinhos e de maneira sincronizada, bem como ver tudo isso enquanto Pat ainda nos brinda com uma apresentação maravilhosa.

Trata-se de um daqueles trabalhos que faz qualquer aspirante a guitarrista encostar o instrumento e não tocá-lo nunca mais. Um disco ótimo para viajar com qualidade e que em DVD é ainda melhor. Inclusive é (praticamente necessário) ver o projeto com os seus próprios para se ter a real dimensão da grandeza e da complexidade do tear sonoro que esse cara teceu aqui.

A seleção de temas foi perfeita dentro do conceito que foi escolhido. São quatro temas bastante longos, todos sempre tocadas da forma mais líquida e pura possível, sempre levando tudo na mão e no feeling, duas das características mais marcantes deste gênio.


''Spirit Of The Air'' é o tema mais curto do disco, com quase oito minutos, já a faixa título (''Orchestrion'') passa dos quinze... Jazz em puro e em sua forma mais livre. Quem diria que aos 56 anos (hoje o guitarrista está com 62 verões na conta) um cara tão cultuado se reinventaria de tal forma?!

0 comentários: