O Prog do Three Seasons e o estardalhaço sonoro de Grow

Essa semana me deparei com umas listas bem mal feitas, mas que me fizeram refletir sobre um ponto de vista que muitos de nós subestimamos. Quais seriam os 100 melhores discos dos anos 2000? Aposto que muitos dos senhores irão dar risada (à princípio) e pensarão: ''é fácil listar, acho até que nem chega a cem exemplares'', mas não é bem assim que a banda toca.


Achei a lista que li com meus próprios olhos uma absoluta demonstração de ignorância, mas como o post foi bem claro quando ressaltava de que tratava-se da opinião do resenhista, só pude lamentar, e comecei a pensar sobre os discos que estariam em uma possível lista de minha pessoa.

Só que pasmem senhores, nela tem até disco de 2014, e o representante deste ano é ''Grow'', o terceiro CD do (para variar Sueco) power trio, Three Seasons, lançado no dia 30 Maio de 2014. Aprecie o feeling da nata progressiva.

Line Up:
Sartez Faraj (guitarra/vocal)
Olle Risberg (baixo)
Christian Eriksson (bateria)



Track List:
''Which Way''
''Drowning''
''By The Book''
''Tablas Of Bahar''
''Food For The Day''
''No Shame''
''Home Is Waiting''
''Familiar Song''


Ouvi esse disco uma centena de vezes desde de seu lançamento,e logo depois já fui traçar o restante da discografia dos caras:

''Life's Road'' - 2011
''Understand The World'' - 2012


E a rara beleza das faixas, o clima analógico, as influências das mais diversas... Tudo isso me encheu os olhos, aliás, o fez com todos que já ouviram alguma coisa desse trio. O som dos caras agrega de tudo. Funk para fluir as melodias, um Folk nas partes ''A'' de determinadas faixas, Pysch nas jams, um toque de Jazz, e por último mas jamé menos relevante, o Blues, a fundação básica deste som.

Desde o primeiro disco, o já citado ''Life's Road'' (2011), noto que a sonoridade deles já veio pronta. Não notei essa pataquada de ''evolução e amadurecimento'', escutei uma discografia uniforme e que mantém um padrão de qualidade excepcional, um Hard-Prog com aquele toque de Jukebox-disco-pérola dos anos 70.


''Grow'' aparece com 8 faixas e resulta em mais de 50 minutos de viagem e uma viagem muito diferenciada. Gosto bastante do peso das faixas, sempre no tom do vocalista e nunca nada de ensurdecedor, inclusive, o dono da voz principal, quase me tirou o sono.

Ouvia os discos e lembrava de alguma voz famosa... Sartez Farai me lembrou o Paul do começo do Free, juro, não é exagero. E logo pelo abertura do disco com ''Which Way'', dá para fisgar isso. Riffs apoiando o órgão (''Drowning''), violas costurando os flancos vazios do instrumental (''By The Book'') e momentos de grande criatividade, como na passagem sublime de ''Tablas Of Bahar''.

Alto padrão musical, mas tudo dentro de uma atmosfera que aconchega todos os ouvidos, não só os virtuoses de plantão e ao som de temas como ''No Shame''  percebemos que mais do que o Prog, o Three Seasons nos faz passar por todas as sensações sonoras, até o feeling Soul que arrepia a vértebra L3!

Coisa linda de pretão com um furo no meio. Eis aqui um pedaço generoso de uma excelente alquimia melodiosa, vinda justamente de ouvidos que só pelo o que produzem, fica claro que manjam muito mais de música do que o resenhista. Todo mundo sola, todo mundo frita e a trip é grandiosa. Excelente.

0 comentários: