Baixo e bateria: o Funk endiabrado do Kyotaro & Rikuo

Uns meses atrás me deparei com uma dupla de meliantes asiáticos mandando um groove. Era um daqueles virais onde um duo com baixo e bateria faziam miséria com o Funk, numa cozinha guiada por slaps e precisos acompanhamentos.


O único problema é que apesar do imenso engajamento na publicação, ninguém citava o nome do projeto e o groove seguiu incógnito. Meses depois, me deparei com outro vídeo - dessa vez uma ação com a Tama - marca japonesa de baterias comercializada pela Hoshino Gakki. O vídeo que pode ser visto logo abaixo, resume bem o que acontece quando a dupla escolhe uma viela pra mandar um som.


O nome do projeto dos budistas funkeados é Kyotaro & Rikuo. A dupla é de Osaka e apesar de parecer, eles não fugiram da vida monástica, só as roupas que acabam remetendo a tradição dos monges que se privam, também, da vida clausural.

O projeto nasceu em meados de 2016 e desde então a dupla segue fazendo barulho nas principais feiras do mundo, sempre tocando com um fervor e com aquele traquejo que apenas as ruas ensinam. E depois de muita pesquisa, o Macrocefalia Musical descobriu que eles soltaram um EP em dezembro de 2018 e apesar de ser o único trabalho dos caras, as 4 faixas do trabalho homônimo merecem a sua atenção.

Line Up
Kyotaro (baixo)
Rikuo (bateria)



Track List:
"Attention"
"Grilled Marshmallow"
"Pulse"
"Attention!4"


O que mais espanta nesse curto, porém intenso EP, é como a abordagem dos caras - mesmo em estúdio - conseguiu captar exatamente o mesmo sentimento dos virais que se espalharam pela internet.

Com um som que é pura glicose na veia, a dupla intercala passagens extremamente intrincadas como se isso fosse a coisa mais natural do universo. Outra coisa que vale pontuar é o peso e o entrosamento praticamente telepático do duo. O baixista de fato come o instrumento com farinha e apesar de utilizar bastante a técnica do slap - de maneira bastante agressiva - o groove passa longe de ser previsível ou cansativo.


Logo que o som começa a pulsar, "Attention!" aparece e já sintetiza o que está por vir. Um boogie cretino de rápido, com a cozinha estralando o Funk numa aula de dinâmica, sem excesso de preciosismo.

Aliás nesse ponto a atitude da banda é praticamente Punk-Rock. As composições são muito viscerais e apesar do approach sem cuspe e sem massagem, os músicos demonstram grande capacidade técnica e feeling, também com temais menos fritos, como é o caso de "Grilled Marshmallow".


Em termos de formato, o som dos caras também não se assemelha com nada que está sendo feito nesse esquema em dupla. É uma pancadaria franciscana bastante estruturada e com linhas de baixo que merecem horas de estudo, como "Pulse", por exemplo. Outra questão importante é o trabalho do baterista, que sempre tira muito som de kits bastante compactos.

Apesar do baixo estar aparentemente na frente do som, com um timbre mais na cara, o mestre Kung-Fu das baquetas está longe de apenas acompanhar o slap. Na última faixa o som da bateria quase engole o groove de "Attention!4.

Na moral, pega essa visão. Tem muito quarteto que não iguala a pegada animalesca desses caras.

0 comentários: